• |Manual|
    2014 | tinta acrílica sobre caixa de MDF | 300x300x200mm  
     
    Um dispositivo que permite gerar desejos. Oferece a vontade do homem de criar-se máquina, de inventar-se.  Deleuze & Guattari comentam que desejar é passar por devires construídos por singularidades, ramificações e concepções que dão conta que a existência do outro é condicionada pela nossa própria existência. 
     
    A máquina desejante é um encaixe de peças geométricas que tem como gatilho, um desenho rizomático que prolifera para fazer novas conexões e que parece querer transgredir todas as fronteiras num fluxo de materialidade informe. Quer preencher o espaço inteiro com as mais disparatadas coisas. É como algo que devemos criar ou fazer. Devemos sempre fazer conexões entre ramos, pontos e linhas de fuga que cruzam as fronteiras e realizam experimentalmente outras possibilidades do que aquelas que são dadas.
     
    Manual, como resultado, apresenta-se como um sistema provocador de uma relação fenomenológica com o espectador através do desenho bidimensional que se expande num meio tridimensional. Sugerindo a experimentação simultânea de diversos planos, do processo imaginativo através das mudanças de diferentes posições da obra.